Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

LILIANE RIBEIRO ORTIZ

Para que servem as emoções?



Em nosso repertório emocional, cada emoção desempenha uma função específica, diante das novas tecnologias que permitem perscrutar  o cérebro e o corpo como um todo

Todas as emoções, são na essência, impulsos, legados pela evolução, para uma ação imediata, para planejamentos instantâneos que visam lidar com a vida. A própria raiz da palavra emoção é do latim movere –mover acrescentado do prefixo “e” que denota “afastar –se” , o que indica que em qualquer emoção está implícita uma propensão para um agir imediato.

Em nosso repertório emocional, cada emoção desempenha uma função específica, diante das novas tecnologias que permitem perscrutar  o cérebro e o corpo como um todo, os pesquisadores estão descobrindo detalhes fisiológicos que permitem a verificação de como diferentes tipos de emoção prepararam o corpo para diferentes tipos de resposta.

Na raiva o sangue flui para as mãos, tornando mais fácil sacar da arma ou golpear o inimigo, os batimentos cardíacos aceleram- se e uma onda de hormônios, a adrenalina gera uma pulsação, energia suficientemente forte para uma atuação vigorosa.

No medo, o sangue corre para os músculos do esqueleto, como os das pernas, facilitando a fuga, o rosto fica lívido, já que o sangue lhe é subtraído ( daí dizer- se que alguém ficou gélido). Ao mesmo tempo, o corpo imobiliza- se ainda que por um breve momento, talvez para permitir que a pessoa considere a possibilidade de, em vez de agir, fugir e se esconder. Circuitos existentes nos centros emocionais do cérebro disparam a torrente de hormônios que põe o corpo em alerta geral, tornando- o inquieto e pronto para agir. A atenção fixa- se na ameaça imediata, para melhor calcular a resposta a ser dada.

A sensação de felicidade causa uma das principais alterações biológicas. A atividade do centro cerebral é incrementada. O que inibe sentimentos negativos e favorece um aumento da energia existente, silenciando aqueles que geram sentimentos de preocupação. Mas não ocorre nenhuma mudança particular na fisiologia, a não ser uma tranquilidade, que faz com que o corpo se recupere imediatamente do estímulo causado por emoções perturbadoras. Essa configuração dá ao corpo total relaxamento, assim como a disposição e entusiasmo para seguir em direção a uma grande variedade de metas.

 O amor, os sentimentos de afeição e a satisfação sexual implicam estimulação parassimpática, o que se constitui no oposto fisiológico que mobiliza para “ lutar ou fugir” o que ocorre quando o sentimento é de medo ou de ira.  O padrão parassimpático, chamado de “ resposta de relaxamento” é um conjunto de reações que percorre todo o corpo provocando um estado geral  de calma e satisfação, facilitando a cooperação.

               

Livro consultado: Inteligência Emocional, a Teoria Revolucionária que redefine o que é ser Inteligente, Daniel Goleman, 2ª edição.

Liliane Ribeiro Ortiz

Psicóloga CRP 07/23464

Contato: (55) 98107 25 93

 harmonizeclinicapsi@gmail.com

 

Mara Personal
jairo
redemaq
fuscar
veiga douglinhas
mira3
chillys
concordia2