Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

LILIANE RIBEIRO ORTIZ

Pais e filhos: como ser autoridade sem ser autoritário?



Educar os filhos não é tarefa fácil, demanda tempo, noites acordadas, responsabilidades e compromissos

Educar os filhos não é tarefa fácil, demanda tempo, noites acordadas, responsabilidades e compromissos. E quando nasce o tão esperado bebê que as aventuras e desventuras começam, aos poucos precisamos abandonar aquela imagem perfeita que construímos do filho e reconhecermos que o dia-a-dia não será sempre perfeito. Por vezes, teremos a impressão de estarmos numa corda bamba, cheios de conflitos e dúvidas, parecendo ter perdido a capacidade de saber ser pai ou mãe, e aí surge a questão: “Como devo agir para educar meus filhos?”

É comum pais com filhos pequenos sentirem dúvidas sobre qual o melhor momento de reprimi-los.

Um filho pequeno sempre quer alguma coisa: um brinquedo, não ir para a cama cedo, não tomar banho, ir para algum lugar ou ficar em algum lugar, enfim ele quer fazer valer o seu desejo. A criança quer impor a sua vontade e assim o “querer do filho” é que é “autoritário”, e é nesse momento que os pais precisam entender que ser autoridade requer avaliar se é possível atender o “querer do filho” naquele momento.

Um bom exemplo é à hora de ir para a cama.  Geralmente os pais estão cansados, e os filhos enrolam para se deitar. O motivo desse conflito é simples, as crianças terão que parar de fazer algo prazeroso: como assistir TV ou brincar, para ir deitar. Embora a criança ainda não saiba ou não consiga entender, neste momento eles precisam novamente dos pais, elas precisam de uma posição firme de seus educadores, afinal, se for permitido “os pequenos” permanecerão ali até a exaustão, e isso não é bom, pois a criança não aprende a se cuidar se não é cuidada. É necessário que os pais delimitem um horário para as crianças se acalmarem para deitar. Não basta mandar inúmeras vezes que o filho vá se deitar, pegar o chinelo, aumentar o tom de voz, afinal agir desse modo e esperar obediência das crianças é ser autoritário. É necessário que nesse momento os pais tenham firmeza, carinho e bom senso, afinal cada momento requer uma maneira de lidar com a situação: pode pegar pela mão contar-lhe uma história, inventar uma brincadeira que ajude seu filho cumprir o ritual, é possível que a criança chore, grite e resista pelo menos enquanto ela perceber que existe possibilidade de resistir, (ela tem o direito de demonstrar seu desagrado), até o dia em que dormir na hora certa se tornar uma rotina.

 

Liliane Ribeiro Ortiz

Psicóloga CRP 07/23464

Pós Graduada em Neuropsicopedagogia.

 

leonardo
mira3
apuama3
reflexo
meiosmokey
ascencao
aquino
chillys