Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

MAGALI MARIANA ANDREOLA

Bullying nas Escolas



Magali é psicóloga na Clinica Harmonize e também psicóloga no Projeto Social Desenvolver para a Vida em AABB Santo Ângelo

Visto como um dos atuais problemas nas escolas, o Bullying é uma palavra inglesa, que significa usar o poder ou a força para intimidar, excluir, implicar, humilhar, não dar atenção, fazer pouco caso e perseguir os outros. Assim, caracterizando uma forma de expressar qualquer tipo de violência àquele considerado diferente pelos demais, com uma repetida exposição do sujeito a atos negativos, com a intenção de ferir ou machucar.

O Bullying pode existir em qualquer lugar, mas está inserido principalmente nas escolas, pois é o lugar que as crianças ficam mais tempo. Quando é praticado, a criança vítima pode desenvolver problemas psicológicos prejudiciais de diversas formas. Pois ele pode ser praticado de forma verbal (como apelidos pejorativos), física (com agressões) ou relacional (exclusão social).

Verifica-se que as regras impostas pela sociedade são produzidas historicamente, vindas de um ideal que nem sempre pode ser alcançado, causando assim a frustração daquele que não alcançou e preconceito por aqueles que convivem com ele.

O agredido costuma ser a pessoa mais frágil, e sem esperança de adequação ao grupo, que não dispõe de habilidades físicas e emocionais para reagir, tem um forte sentimento de insegurança e um retraimento social suficiente para impedi-lo de procurar ajuda. Algumas ainda creem serem merecedoresdo que foi imposto. Já o agressor costuma ser uma pessoa que não aprendeu a transformar sua raiva em diálogo e para quem o sofrimento do outro não é motivo para ele deixar de agir, pelo contrário, se sente satisfeito com a reação do agredido, supondo ou antecipando quão dolorosa será aquela crueldade vivida pela vitima.

No ato da prática do Bullying temos também os espectadores, que não saem em defesa da vitima e nem se juntam aos agressores. Essa atitude passiva ocorre por medo de ser o alvo também.  Temos também a plateia,que reforça a agressão, rindo ou dizendo palavras de incentivos, transmitem imagens ou fofocas tornando-se coautores.

Portanto para identificar o Bullying, é necessário observar quando um apelido ou uma brincadeira de mau gosto se torna repetitiva e constrangedora, se a vitima se afasta do convívio ou das atividades coletivas.  Cabe aos professores atentar naqueles autores de brincadeiras desagradáveis, ou até mesmo que tenham comportamentos com tendências violentas. Cabe também aos pais perceberem que seus filhos estão desmotivados e tristes, que o rendimento escolar está comprometido, sem interesse em ir à escola, como sentir-se mal perto da hora de sair de casa, pedir para trocar de escola, pedir para levar e buscar da escola.

fuscar
apuama3
reflexo
jairo
ascencao
veiga douglinhas
leonardo
redemaq